Um aborto é a perda do bebê nas primeiras doze semanas de gravidez. É conhecido como aborto tardio, o que ocorre entre as semanas treze e vinte.
A perda do bebê perto da data de término da gravidez ou no momento do nascimento é denominada natimorto.

O sangramento deve parar um ou dois dias após o aborto. Caso contrário, se poderia pensar que houve uma eliminação incompleta do produto da concepção, e você precisa de uma curetagem, um procedimento que se realiza sob anestesia.

O colo do útero se dilata ou estica e a parede do útero é raspada para retirar qualquer tecido residual da gravidez. Isto é importante para evitar infecções.

Causas do aborto espontâneo:

  • As mulheres mais jovens são mais propensas. Seus úteros devem amadurecer o suficiente para poder sustentar uma gravidez até o seu término.
  • Espermatozoides anormais ou óvulos com defeito.
  • Em algumas mulheres, o colo do útero ou entrada do útero não permanece bem fechado e não pode manter seguro o bebê que está crescendo. Isto é chamado colo do útero incompetente.
  • Uma placenta imperfeita ou que não funciona corretamente causa desnutrição e morte do bebê.
  • Uma forma anormal do útero ou a presença de formações fibrosas evitam que a gravidez avance normalmente.
    Remédios Caseiros Para Evitar um Aborto Espontâneo
  • Os níveis irregulares de hormônios podem causar abortos, já que para manter o crescimento do bebê se requer um delicado equilíbrio hormonal, um adequado estado da parede do útero e uma placenta que funcione normalmente. O desequilíbrio mais grave é devido aos baixos níveis de progesterona.
  • O tabagismo e o abuso de drogas alucinógenas estão associados a um aumento da incidência de abortos e natimortos, possivelmente porque o bebê em crescimento já apresenta malformações.
  • Em mães com doenças como diabetes, a incidência de abortos é maior.
  • Algumas doenças virais da mãe podem causar aborto, porque o vírus pode atravessar a placenta.
  • Um choque grave de natureza emocional pode precipitar um aborto em algumas mulheres.
  • Um trauma físico, como uma queda ou acidente de carro pode causar um aborto, embora isso só aconteça ocasionalmente, já que o bebê está muito bem protegido e amortecido pelo líquido e saco amniótico.

Sinais de aborto espontâneo:

  • Qualquer tipo de sangramento vaginal durante a gravidez deve te alertar sobre um possível problema. Uma leve mancha não deve preocupar.
  • Contrações dolorosas, cólicas na parte inferior do abdômen ou uma dor na região pélvica, especialmente se for acompanhada de sangramento. Muitas outras doenças podem também causar inconvenientes semelhantes. É importante analisar esta questão.
  • Algumas mulheres, sintonizadas com o ritmo do seu corpo, sabem intuitivamente que seu bebê está morto antes de experimentar qualquer sintoma. Tenha cuidado, no entanto, para não entrar em um estado impróprio de ansiedade.
  • Uma vez que o bebê começou a se movimentar e ser sentido, a cessação de qualquer movimento por um período maior do que vinte e quatro horas pode indicar que morreu (se você ainda não chegou a vinte e oito semanas de gravidez, isso também é considerado como um trabalho de parto prematuro mais do que um natimorto, embora um bebê nessa idade pudesse sobreviver se nascer vivo).

Remédios caseiros para evitar o aborto espontâneo:

  • Despeje uma colher de chá cheia de alquemila em uma xícara de água que está fervendo. Cubra e deixe descansar durante meio minuto e coe. Tome 4 xícaras por dia. Beba, a partir do terceiro mês, esta infusão diariamente para evitar o aborto espontâneo.
  • Ferva um punhado de pontas de folhas frescas de choupo-branco em ½ litro de leite. No leite fervido bata uma gema de ovo e prepare uma sopa com farinha torrada. Durante várias semanas, ou inclusive durante vários meses tome um prato desta sopa no jantar.
  • Despeje em uma xícara de água que está fervendo 1 colher de chá cheia de tomilho selvagem. Deixe repousar meio minuto e coe. Tome 2 xícaras por dia.

Recomendações Preventivas: Parar de fumar, reduzir o consumo de álcool, desfrutar do exercício frequente e melhorar sua dieta. Ter um interesse ativo e assumir o controle da sua saúde melhorará todas as facetas da sua vida, incluindo sua função reprodutiva.

Praticar atividades para reduzir o estresse, como técnicas de relaxamento e passar algum tempo em contato com a natureza. Evitar o exercício intenso e as relações sexuais até cerca da semana 14 ou mais, se existe uma ameaça de aborto.

Reconhecer a sua feminilidade com todas as suas nuances. As mulheres que se esforçam para conseguir formas mais masculinas ficam grávidas co mais dificuldade e podem estar mais propensas a sofrer um aborto. Procurar cuidados médicos se notar algum sangramento. É necessário deitar e descansar mais do que o habitual até que o sangramento cesse.

Recomendações se Ocorrer um Aborto:

Tomar um remédio homeopático, os quais podem ajudar a adaptar-se e lidar com a situação. Esperar retornar o ciclo menstrual normal (nas próximas seis semanas, geralmente) antes de tentar engravidar, embora muitas mulheres fiquem grávidas quase imediatamente, sem efeitos adversos.

Perguntas e Respostas sobre o aborto espontâneo:

Uma mulher que tem um aborto na primeira gravidez abortará novamente se voltar a ficar neste estado?

Depende da causa do primeiro aborto. Se for consequência de uma doença ou malformação do organismo da mulher, esta deverá se submeter a tratamento antes de considerar uma nova gravidez. No entanto, muitos abortos são devido a uma falha no desenvolvimento do embrião, o que por si só não constitui um motivo suficiente para concluir que a mulher é incapaz de levar uma gravidez a termo.

Em caso de aborto de se produzir um aborto habitual – três ou mais abortos consecutivos, ou cinco ou mais abortos não sucessivos -, para elucidar a origem pode ser útil que o casal consulte um conselheiro genético, já que a repetição dos abortos pode ser causada pelo fato de que os embriões apresentam alguma alteração genética hereditária.

Diz-se que alguns abortos ocorrem como resultado de um desgosto. Isso é verdade?

Um desgosto não pode ser a causa direta de um aborto, mas às vezes age como um gatilho ao provocar um desequilíbrio hormonal grave em mulheres que de qualquer maneira já tinham abortado.