A melatonina é um hormônio produzido de forma natural pelo nosso organismo, sintetizada através do cérebro; especificamente, da glândula pineal. Sua função é regular os processos biológicos, como o ciclo do sono. Sua produção diminui significativamente com a idade. Isto, junto com os muitos benefícios que proporciona, tem aumentado significativamente seu consumo durante os últimos anos.

A luz é inibidora da síntese de melatonina, por isso sua produção é realizada durante a noite. Forma parte de vários processos celulares, neurofisiológicos e neuroendócrinos que ocorrem no nosso corpo, influenciando fortemente o nosso sistema imunológico. Além disso, combater os distúrbios do sono e ajuda a lidar com problemas psicológicos.

Leia também: “Melatonina: Uso da Melatonina“.

Quais São os Benefícios da Melatonina Para a Pele?

Entre os seus muitos benefícios encontramos o seu poder antioxidante, superior ao das vitaminas A e C, e ao dos betacarotenos. Com isso, reduz a ação prejudicial dos radicais livres em nosso organismo, evitando assim doenças como glaucoma, câncer ou derrame cerebral. Também favorece a reparação e a densidade óssea, por isso é recomendável para prevenir a osteoporose e as fraturas.

Benefícios da Melatonina Para a Pele

Uma de suas propriedades mais conhecidas é a de regular os padrões do sono, favorecendo um bom descanso durante o qual o corpo restaura suas células e tecidos. O consumo de melatonina é, portanto, altamente recomendado em caso de insônia ou mudanças na rotina, como pode ser começar a trabalhar em um turno noturno ou sofrer jet lag. Também reduz os sintomas de enxaqueca.

Por outro lado, combate as doenças cardiovasculares e a diabetes. Tal e como demonstram diferentes estudos, a melatonina pode melhorar os níveis de colesterol LDL e HDL, graças à sua função antioxidante. Na verdade, muitas pessoas com diabetes tipo II sofrem uma produção deficiente desse hormônio. No entanto, não deve ser consumido por via oral sem receita médica.

Uma das capacidades mais chamativas da melatonina é a de prevenir a doença de Alzheimer. O consumo desta substância aumenta seus níveis no cérebro, onde atua reduzindo o risco de sofrer problemas neurodegenerativos. E esse hormônio nos protege contra os quadrados beta-amiloides, que são a principal causa de doença de Alzheimer. Também ajuda a combater a doença de Parkinson, doença de Huntington e, em geral, a deterioração cognitiva. No entanto, em estágios avançados dessas doenças não resulta eficaz.

A melatonina é conhecida comumente como o “hormônio da juventude”, graças às suas propriedades antioxidantes. Ao neutralizar os radicais livres, retarda os efeitos do envelhecimento, como rugas ou manchas. O problema é que sua produção diminui à medida que envelhecemos, um processo que, gradualmente, tem lugar a partir de 30. Além disso, nos protege das radiações ionizantes, como raios UV e fibroblastos da derme, aumentando com isso a síntese de colágeno e elastina e, a produção de proteoglicanos e glicosaminoglicanos. Daí que seja recomendado o seu consumo para melhorar a condição da pele.

Tudo isso motivou as grandes empresas dedicadas à saúde e a cosmética a criar vários produtos destinados a fornecer um maior nível de melatonina para a nossa pele.