A osteopatia é uma terapia alternativa que, a cada dia, é mais bem-vinda. Na Grã-Bretanha, os osteopatas contam com centros de formação oficiais e uma lei que regulamenta sua prática. Na Espanha, são realizados cursos universitários especializados para diplomados em Fisioterapia, enfermeiros e médicos que desejam ampliar seus conhecimentos.

A Osteopatia e Sua História:

As origens da osteopatia remontam ao final do século XIX. A pessoa que lhe deu o nome – osteopatia significa “cura através do osso” – e lançou suas bases teóricas foi Andrew Taylor Sti-11 (1828-1928), um médico desiludido com os medicamentos extremamente tóxicos e com a cirurgia exploratória e cruel que se utilizava até então.

Suas convicções religiosas o fizeram pensar que Deus devia ter dado ao ser humano um sistema para curar a si mesmo, como indica a capacidade para fechar feridas ou para que os ossos quebrados se unam novamente, e que a missão do médico era entendê-lo e estimulá-lo.

Essa convicção o levou a estudar o corpo humano com um olhar de pioneiro. Começou pelos ossos, pensando que o sistema esquelético que segurava o corpo em pé e lhe permitia se movimentar devia ter uma influência decisiva sobre a saúde e a doença.

Osteopatia: Um Remédio Para o Sistema Musculoesquelético

Esta ideia foi combinada com a dedução empírica de que a circulação sanguínea, “o rio da vida”, devia ser responsável por transportar os agentes necessários para a cura para todos os cantos do corpo.

De Que Forma a Osteopatia é um Remédio Natural

Os osteopatas podem tratar com sucesso uma ampla variedade de problemas, não somente aqueles que afetam de maneira evidente o sistema musculoesquelético.

Remédio para hérnia de disco. O osteopata pode realizar um diagnóstico mais preciso sobre a origem da dor lombar, aplicar um tratamento e evitar a cirurgia.

Remédio para dor nas costas. A osteopatia resulta eficaz em casos onde outros tratamentos não conseguiram nada. Além disso, evitar a utilização de medicamentos com efeitos secundários.

Remédio para asma. As manipulações osteopáticas podem ser úteis quando existem determinadas mudanças em torno da segunda vértebra torácica.

Remédio para a artrite. Nas primeiras fases, por vezes é possível parar e até mesmo reverter o dano inicial nos tecidos moles. Em casos avançados, consegue um alívio dos desconfortos da constipação. Quando é consequência de um intestino espástico ou contraído, o tratamento osteopático ajuda a normalizar sua função com a colaboração de uma dieta abundante em fibras.

Remédio para dores de cabeça e enxaquecas. O tratamento reduz a intensidade e a frequência das dores.

Leia também: “Osteopatia de ATM, Solução Eficaz para Dores de Cabeça, Enxaquecas, Dor de Ouvido e Bruxismo“.

Remédio para doença cardíaca. A melhora da mobilidade na altura do tórax após o tratamento reforça a função cardíaca.

Remédio para problemas menstruais. As manipulações osteopáticas na área lumbosacral conseguem melhorias espetaculares na função menstrual.

Remédio para deficiências neuromotoras infantis. O Centro de Osteopatia para Crianças em La Jolla (Estados Unidos) é especializado em dislexia e distúrbios comportamentais que muitas vezes podem ter sua raiz em uma gravidez ou nascimento traumático.

Remédio para cólicas infantis. Também encontraram solução. Pode ser conveniente tratar preventivamente todos os bebês para ajudá-los a superar os traumas do nascimento.

Remédio para os traumatismos. Entorses ou fraturas soldadas, mas dolorosas melhoram rapidamente e se reduz a possibilidade de que se produza uma recaída.

Osteopatia e Seu Tratamento

O osteopata observará primeiramente a posição vertical de uma pessoa, seu movimento e como ficam as costas ao estar sentada. Também comprovará o tônus muscular, como respira e, através da palpação suave, buscará rigidez, tensão muscular ou manchas na pele. Este especialista fará perguntas sobre o estilo de vida da pessoa e seus hábitos alimentares.

Uma vez estabelecido o diagnóstico, o osteopata utiliza determinadas técnicas de tratamento (como as que descrevemos abaixo) ao longo de 3-6 sessões de cerca de 45 minutos de duração e separadas por duas ou três semanas.

É característico da osteopatia a técnica neuromuscular, que consiste em manipulações sobre os tecidos moles, ou seja, pele, músculos, tecido conjuntivo, tendões, ligamentos e fáscias. Todos estes elementos são acrescentados aos ossos para formar a estrutura do corpo, de cujo bom estado depende que os órgãos e demais sistemas possam funcionar adequadamente. A massagem dos tecidos moles pode ser superficial ou profunda, lenta ou rápida, dependendo do que o terapeuta vai encontrando.

O objetivo é destruir as tensões musculares e estimular a circulação sanguínea, de maneira que se recupere a comunicação das partes afetadas com todo o corpo.

Os osteopatas praticam também uma manipulação visceral com a qual tentam favorecer o bom funcionamento dos órgãos internos mediante o restabelecimento do fluxo adequado de fluídos. Assim, podem tratar doenças digestivas ou ginecológicas que não parecem estar relacionadas com o sistema musculoesquelético.

No tratamento, também se aplicam técnicas para as articulações, a fim de aumentar a flexibilidade dos músculos e de outros tecidos moles. São movimentos guiados pelo terapeuta e que resultam rítmicos, relaxantes e em geral relaxantes.

Nesta parte do tratamento, são aplicados alongamento e trações. Os primeiros relaxam as fibras musculares e esticam os ligamentos. As segundas separam delicadamente as superfícies de contato, afrouxando as cápsulas articulares.

Outro grupo de técnicas se inclui dentro da categoria “de energia muscular”. Desenvolvida há cerca de 20 anos atrás, se utiliza para aumentar a capacidade de movimento de uma articulação específica. O paciente tem que flexionar uma articulação em uma direção determinada e parar no momento em que perceber uma dificuldade. Em seguida, move-se na direção oposta, enquanto as mãos do terapeuta exercem resistência. Esta técnica simples melhora o funcionamento de todos os músculos envolvidos na flexão. Técnicas Comuns

  • Alongamento. Para normalizar a capacidade de movimento da articulação.
  • Massagem dos tecidos moles. Consiste em aplicar pressões suaves sobre as áreas afetadas. Atua sobre os músculos, tendões, ligamentos e fáscias.
  • “Ação rápida”. Esta ação de alta velocidade e grande amplitude implica uma aplicação muito precisa das forças para corrigir a disfunção articular. Isto se consegue através da rotação, flexão e ajuste da coluna vertebral.
  • Massagem visceral. O terapeuta tenta reposicionar os órgãos e melhorar os fluxos que os relacionam com o resto do corpo.
  • “Alavancagem”. É utilizada para trazer os ossos para a sua posição anatômica correta.
  • “Ajuste Lombar”. A área afetada é cuidadosamente posicionada em um ângulo adequado para corrigir uma alteração. A posição é mantida até que se produz um espasmo reflexo.
  • “Ajuste Cranial”. O terapeuta realiza movimentos e balanços suaves que favorecem o estabelecimento de um ritmo cerebrospinal ideal.