O glaucoma é a segunda principal causa de cegueira no mundo e a maioria das pessoas que o têm não sabem disso devido a sua falta de sintomas. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que 4,5 milhões de pessoas estão cegas devido ao glaucoma e que 60,5 milhões de pessoas sofriam de glaucoma em 2010, número que aumentará para 80 milhões em 2020.

E o glaucoma não apenas afeta adultos mais velhos, embora seja muito mais comum entre eles: de acordo com as estatísticas mundiais, o glaucoma afeta 1 em cada 200 pessoas com menos de 50 anos e 1 em cada 10 pessoas com mais de 80 anos.

O que é Glaucoma?

O glaucoma trata-se na realidade de um grupo de doenças oculares específicas do nervo óptico – a via de informação desde o olho até o cérebro. A pressão intraocular (pressão dentro do próprio globo ocular) é um fator de risco importante que pode gerar o glaucoma. No entanto, não existe um limiar de pressão estabelecido que indique que se produzirá a doença. Uma vez que a lesão que ocorre é no próprio nervo óptico, o dano do glaucoma não pode ser revertido, apenas pode ser tratado (com cirurgia ou com medicamentos). É uma doença que geralmente se desenvolve durantes longos períodos de tempo.

O glaucoma se conhece como o inimigo silencioso da visão por sua falta de sintomas. Estes só aparecem quando já existem danos que muitas vezes podem ser irreversíveis. Por isso, é muito importante realizar um exame completo oftalmológico, pelo menos uma vez por ano durante o qual te examinarão o interior do olho e o nervo óptico. Este exame pode significar a diferença para a detecção precoce do glaucoma e seu tratamento adequado.

Leia também: "Glaucoma Ocular – Sintomas e Tratamentos para Glaucoma".

Quando se sofre de glaucoma se apresenta a morte das células na retina e, portanto, existe perda de visão. Inicialmente, o glaucoma não afeta a visão central, por isso não se torna evidente. Começa afetando o campo visual periférico obre o qual a maioria das pessoas não está consciente. Pouco a pouco a visão periférica vai sendo perdida e avança até a visão central. Quando esta é afetada, muitas pessoas notam a doença e, em seguida, consultam um especialista, mas em muitos casos é muito possível que seja tarde demais.

As pessoas que sofrem de diabetes, que têm trauma ocular significativo, ou que sejam usuárias de esteroides têm um maior risco de desenvolver glaucoma. A idade avançada, as córneas relativamente finas e a miopia são fatores de risco adicionais. Por sua vez, os estudos sugerem que as mulheres são três vezes mais propensas do que os homens de desenvolver glaucoma.

Seja qual for a sua situação, faça uma consulta verificar a sua visão. E volte a fazê-la todos os anos. Sua qualidade de vida depende disso.