As uvas são uma das frutas mais consumidas em todo o mundo e são cultivadas desde épocas remotas.

É importante observar que nada é desperdiçado da uva, já que tanto seus talos como as sementes e sua casca, são usados para diferentes remédios caseiros e naturais e inclusive com elas são elaborados suplementos alimentares.

Hoje vamos ver como a casca da uva nos ajuda a conservar ou melhorar a nossa saúde.

Propriedades Curativas da Uva:

A casca da uva (Vitis vinijera) é a camada exterior e pode ser de cor verde, roxo ou preto púrpura. Na casca das uvas, se localiza uma grande quantidade de bioflavonoides (quercetina, catequinas, flavonoides e antocianinas) e de polifenóis (derivados ácidos). Um importante componente não bioflavonoide que está presente na casca da uva é o resveratrol.

Trata-se de uma enzima específica das plantas presente em 72 espécies distintas, como uvas, amendoins e abacaxis. As uvas são a fonte mais importante desta enzima. A presença de resveratrol na planta é induzida pelo estresse, lesões, infecções ou radiação ultravioleta.

Acredita-se que a "lesão" da casca das uvas, produzida durante a fabricação do vinho, aumenta de forma significativa a proporção de resveratrol. As quantidades relativamente altas da enzima na casca da uva ajudam a planta a resistir às infecções fúngicas, várias doenças, condições climáticas adversas e ataques de insetos e animais.

Leia também: “Benefícios e Propriedades das Uvas”.

Existem muitos usos terapêuticos de resveratrol presente na pele das uvas negras. Em estudos clínicos, a enzima demonstrou alguns efeitos anti-inflamatórios equivalentes ou melhores em comparação com medicamentos anti-inflamatórios bem estabelecidos, como fenilbutazona e indometacina. Em animais, inibe as fases agudas e crônicas da inflamação.

Em humanos, alguns investigadores verificaram que o resveratrol é um anticoagulante mais eficaz do que a aspirina, que é frequentemente utilizada para reduzir o risco de ataques cardíacos.

Na verdade, isso explica o "paradoxo francês" que se refere ao fato de que os franceses consomem uma dieta rica em gorduras e têm muito menos ataques cardíacos do que os americanos. Além disso, os franceses apresentam um colesterol no sangue e uma pressão sanguínea semelhante aos dos americanos. Os pesquisadores descobriram que a principal razão para este fenômeno é a presença de pró-antocianidinas oligoméricas na casca da uva, não no álcool que contém, do vinho tinto que bebem os franceses.

Estudos preliminares em animais indicam que o resveratrol pode interferir com o desenvolvimento do câncer de três maneiras: bloqueando a ação dos agentes que causam câncer, inibindo o crescimento de tumores e fazendo com que as células pré-cancerosas voltem à normalidade.

Embora os pesquisadores não estejam seguros de como produz o resveratrol efeitos benéficos nos seres humanos, à suplementação com extrato de casca de uva negra ou o consumo de um ou dois copos de vinho tinto por dia previne ou alivia as seguintes condições:

  • Envelhecimento.
  • Hematomas (fragilidade capilar).
  • Câncer.
  • Infecção fúngica.
  • Diabetes.
  • Doença coronária (endurecimento das artérias e colesterol alto).
  • Inflamação (incluindo bursite e tendinite).
  • Síndrome de Raynaud (distúrbio dos vasos sanguíneos).
  • Veias varicosas.
  • Problemas de visão (catarata e glaucoma).
  • Cura de feridas.

Como Preparar o Extrato de Casca de Uva:

O extrato da casca de uva negra é preparado em cápsulas. Para a manutenção dos adultos, a nível terapêutico oscila entre 200 e 600 mg de antocianinas a 30%, embora não há recomendações definitivas.

O resveratrol da casca da uva negra e seu extrato também se encontram no vinho tinto e no suco de uva. No entanto, este último é menos benéfico do que o vinho tinto, devido à técnica de processamento das uvas. Por exemplo, o suco de uva apenas tem uma terça parte das propriedades anticoagulantes do vinho tinto.

Precauções. Embora a pesquisa seja limitada, os cientistas não recomendam nenhuma precaução a respeito do uso da casca de uva ou do seu extrato. No entanto, devemos estar conscientes dos efeitos secundários conhecidos do vinho tinto e do resveratrol.

Há muitos possíveis efeitos secundários de consumir quantidades excessivas de vinho tinto (reações alérgicas aos sulfitos, intoxicação e lesão hepática). A fim de obter os benefícios do resveratrol para a sua saúde, cada pessoa deve avaliar os riscos e os benefícios de consumir álcool.

No entanto, o próprio resveratrol é também um fito estrogênio (estrogênio vegetal), por isso pode desempenhar um papel nos efeitos cardiovasculares benéficos do vinho tinto (por exemplo, um aumento do colesterol de alta densidade [HDL] ou colesterol "bom").

Por outro lado, tem sido apreciado que o consumo de vinho tinto, favorece a proliferação de algumas células do câncer de mama que requerem de estrogênio para crescer. Assim, o resveratrol pode ter efeitos secundários em algumas pessoas, especialmente aquelas com histórico de câncer de mama ou mulheres pós-menopáusicas que tomam terapia hormonal substitutiva.

As pesquisas sobre as interações da pele de uva ou do seu extrato com medicamentos, alimentos ou doenças são muito limitadas e inconclusivas.

No entanto, o resveratrol da casca de uva consumido em forma de vinho tinto pode interagir de forma adversa com fármacos e alimentos. É aconselhável consultar com seu médico antes de beber álcool com algum tipo de fármaco prescrito ou preparação que se dispense sem receita médica.