Um aborto involuntário acontece durante as primeiras 20 semanas de gravidez. Caso contrário, é quando o bebê já pesa mais de 400 gramas, nesse caso, então, se classifica como morte fetal.

Existem diferentes tipos de abortos involuntários, neste artigo seguimos vendo esta classificação para que você possa compreender o que acontece com seu corpo:

Perdas. Nestes casos, o bebê morreu, mas permaneceu no útero. Pode ser gerado um corrimento escuro e alguns dos sintomas de gravidez, como náuseas e cansaço tendem a desaparecer.

Não se apresentam outros sintomas de aborto espontâneo, como cólicas e sangramento vaginal, e é provável que a mulher não descubra que perdeu seu bebê, até o próximo controle pré-natal.

Recorrente. Um pequeno número de mulheres é afetado pelos abortos involuntários recorrentes. Este é um problema pouco comum, e requer o controle de um especialista para evitar que continue acontecendo.

Quando você teve três ou mais abortos involuntários, é essencial a realização de estudos para investigar as causas.

Tipos de gravidez que resultam em um aborto involuntário:

Ectópica. Uma gravidez ectópica é quando o embrião se implanta dentro da trompa de Falópio ou outras áreas, fora do útero. Neste caso, o feto não pode sobreviver e os sintomas que gera a situação são: dor intensa na parte inferior do abdômen, sangramento vaginal, sensação de desmaio, vômitos ou dor na ponta de um dos ombros.

Tipos de Gravidez Que Resultam em um Aborto Involuntário

Gravidez inembrionada. Uma gravidez inembrionada é quando o saco embrionário se desenvolve, mas não existe um bebê dentro. Na maioria dos casos, o embrião foi concebido, mas não se desenvolveu e foi reabsorvido pelo útero em uma fase muito precoce.

Esta condição geralmente é descoberta durante os testes de pré-natal.

Se você não leu antes, recomendamos a leitura do artigo: “Aborto Involuntário” e “Novo Exame não Invasivo de Pré-Natal para Detectar Anomalias no Feto“.