A vitamina D é essencial para o metabolismo do cálcio. É solúvel em gordura e pode ser obtida mediante a exposição aos raios do sol. Também pode ser obtida mediante a alimentação e os suplementos.

No entanto, surge a seguinte questão: Qual é a quantidade necessária de vitamina D para manter o funcionamento normal do organismo?

A resposta é 200 UI em forma de colecalciferol ou ergocalciferol, para qualquer pessoa com menos de 50 anos, incluindo mulheres grávidas e mulheres que amamentam. Aumenta para 400 UI para as pessoas de 51 a 70 anos, e 600 UI para aquelas com mais de 70 anos. Uma dose ligeiramente superior, até 700 UI, para as pessoas com mais de 75 anos reduz de forma significativa as fraturas relacionadas com a idade, quando tomada junto com 500 mg de cálcio por dia.

Contraindicações da Vitamina D:

O corpo não pode fabricar muita vitamina D a partir da exposição solar, por isso, embora a vitamina seja armazenada na gordura, a toxicidade da overdose suplementar é possível.

Os sintomas consistem principalmente de hipercalcemia, e incluem pressão sanguínea elevada, dor de cabeça, fraqueza, fadiga, arritmias cardíacas, perda de apetite, náuseas, vômitos, diarreia, constipação, tonturas, irritabilidade, convulsões, danos nos rins, escasso crescimento, endurecimento prematuro das artérias e dor óssea, abdômen e músculos.

Vitamina D: Contra-Indicação e Efeitos Secundários

Se a toxicidade se desenvolve, podem aparecer coceira e sintomas derivados de uma doença renal, como sede, micção frequente, proteinúria e incapacidade para concentrar a urina.

A overdose durante a gravidez causa anormalidades fetais. Os problemas nos bebês são tetania, convulsões, malformações das válvulas cardíacas, lesão da retina, inibição do crescimento e retardo mental.

As mulheres grávidas não devem tomar mais quantidade do que o recomendado, e qualquer pessoa com mais de um ano de idade não deve superar 2.000 UI por dia. As crianças não devem tomar mais de 1.000 UI.

As pessoas com hipercalcemia, sarcoidose ou hiperparatiroidismo não devem usar calciferol em forma de suplemento. Os pacientes com doença renal, arteriosclerose ou doença coronária tem que usar ergocalciferol apenas com muito cuidado e sob prescrição médica.

Leia também: “A Importância da Vitamina D“.

Efeitos Secundários da Vitamina D:

Os possíveis efeitos secundários menores são perda de apetite, constipação, boca seca, sede, gosto metálico na boca e fadiga. Outras reações que devem conduzir a procurar ajuda médica são dor de cabeça, náuseas, vômitos, diarreia e confusão.

Interações da Vitamina D:

A absorção de vitamina D melhora com cálcio, colina, gorduras, fósforo e vitaminas A e C. Os suplementos devem ser tomados com um alimento para melhorar sua absorção.

Diversos medicamentos podem interferir com os números de vitamina D, sua absorção e seu metabolismo. Rifampicina, bloqueadores H2, barbitúricos, heparina, isoniazida, colestipol, colestiramina, carbamazepina, fenitoína, fenobarbital e fosfenitoína reduzem os níveis séricos de vitamina D e aumentam o seu metabolismo.

Qualquer pessoa que recebe tratamento para epilepsia ou outro transtorno convulsivo deve consultar com seu médico antes de tomar suplementos de vitamina D. O excesso de óleo mineral e laxantes estimulantes também produz uma depleção de vitamina D.

A osteoporose e a hipocalcemia podem ser devido ao uso prolongado dos corticosteroides. Em ocasiões, é necessário tomar suplementos de cálcio e vitamina D, junto com esta medicação. O uso de diuréticos tiazídicos com vitamina D pode originar hipercalcemia em pessoas com hipoparatireoidismo.

O uso conjunto de digoxina e outros glicosídeos cardíacos com suplementos de vitamina D produz hiperglicemia e irregularidades no coração. O mesmo cuidado deve ser tomado com as plantas que contêm glicósidos cardíacos, por exemplo, a digitalina.