A síndrome de Tietze e costocondrite é um processo inflamatório da articulação que liga as costelas ao esterno (união condroesternal) e os tecidos moles que o rodeiam.

Sintomas da síndrome de Tietze:

Seu início pode ser insidioso ou agudo. Neste último caso, pode causar problemas de diagnóstico, com isso provoca a doença isquêmica do coração.

Os principais sintomas que costumam se apresentar:

  • Produz um aumento de tamanho na ligação entre as costelas e o esterno com dor ao ser tocado.
  • A dor tem características inflamatórias e é agravada pela pressão local e com os movimentos respiratórios e de torção do tórax (já que a área inflamada se move ao fazê-lo).
  • Pode afetar uma ou mais cartilagens costais. As cartilagens costais 2ª, 3ª e 4ª são as mais frequentemente afetadas. Costuma aparecer mais no lado esquerdo.
  • A dor geralmente se irradia para os ombros e os braços.

Não é uma doença grave, já que cede espontaneamente em algumas semanas (em poucos casos se dão recorrências posteriormente), mas o quadro de dor que ocorre, como pode ser comparada à dor de origem coronariana (angina de peito ou infarto do miocárdio), faz com que às vezes simule e confunda o diagnóstico.

Síndrome de Tietze: O Que, Sintomas, Causas, Diagnóstico e Tratamento

Causas da síndrome de Tietze:

A causa da costocondrite é desconhecida, e houve especulação com uma origem viral. Afeta predominantemente adultos com idades entre 20 a 40 anos, sem preferência de sexo.

Diagnóstico para síndrome de Tietze:

Não existe um teste específico para seu diagnóstico (a radiografia costuma ser normal), em vez disso se descarta outras condições que podem causar uma clínica secundária (daí o problema que causa se simula um quadro coronário) e chegar ao diagnóstico por exclusão de outras doenças.

Entre as doenças a descartar se destacam:

  • Artrite infecciosa
  • Artrite reumatoide
  • Gota
  • Espondiloartropatias

Em alguns casos em que o diagnóstico é relutante, realizar uma TAC ou cintilografia óssea acaba dando o diagnóstico.

Analiticamente, pode ver-se um aumento de ESR (velocidade de sedimentação de eritrócitos), mas geralmente não são observadas alterações.

Tratamento para síndrome de Tietze:

O tratamento da síndrome de Tietze é repouso relativo, frio local e anti-inflamatório não esteroide (AINEs).

A duração do processo varia, usualmente, entre uma semana e 2 meses.

Em casos resistentes deve-se recorrer à infiltração local de anti-inflamatórios ou de glucocorticoides. Em casos excepcionais, em que não se produza melhora você pode acabar tendo que remover cirurgicamente, mas isto é excepcional.