O uso da aspirina no tratamento para diabetes é bastante comum, mas ainda existe muita confusão sobre os seus benefícios. Alguns acreditam que ajuda a baixar os níveis de glicose, e outros acreditam que ajuda a prevenir os ataques cardíacos. Qual é a verdade?

O uso da aspirina no tratamento da diabetes, como se diz comumente, deve "segurar com pinças". Ou seja, nem tudo o que se diz sobre os efeitos da aspirina é tão verdadeiro, e nem todos os diabéticos devem tomá-la.

Vamos começar com os efeitos sobre a saúde do coração. Sabe-se que a diabetes aumenta o risco de desenvolver doenças cardiovasculares, disso não existe dúvida. E sim, é verdade que tomar aspirina diariamente como parte do seu tratamento para diabetes ajuda a reduzir o risco de sofrer ataques cardíacos e outros problemas cardiovasculares. Isto é porque a aspirina atua como anticoagulante, ou seja, evita que se formem coágulos no sangue e, portanto, reduz as possibilidades de que um coágulo possa obstruir uma das suas artérias e provocar um ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral.

Mas isso não significa que todos os diabéticos devem tomar aspirina como parte do seu tratamento.

Em primeiro lugar, dois estudos publicados em 2008, descobriram que a aspirina poderia ajudar diabéticos que já tiveram um ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral, ou seja, que haviam tido problemas cardíacos no passado. Sabe-se também que os diabéticos com doença arterial periférica que têm sintomas, ou seja, que têm problemas com a circulação do sangue nas pernas e estas ficam dormentes, têm câimbra e dor ao caminhar e tem que parar, etc., também se beneficiam de tomar aspirina.

O que não sabemos é se os diabéticos que nunca tiveram um ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral ou que nunca tiveram sintomas por problemas de circulação nas pernas se beneficiam de tomar aspirina preventivamente todos os dias. São necessários mais estudos. Talvez você pense, bom, é apenas aspirina e inclusive é vendida sem receita médica! De fato. Mas, como tudo que tomamos, a aspirina também pode ter efeitos secundários, que incluem irritação gástrica (do estômago), pode causar úlceras hemorrágicas, pode causar acidentes vasculares cerebrais em pessoas com pressão arterial alta não controlada. Você pode ter interações não desejadas com medicamentos que está tomando. Por isso, não é recomendado tomar aspirina sem primeiro consultar o seu médico.

Agora vamos falar sobre os seus efeitos no controle do diabetes. Durante algum tempo se acreditou que a aspirina também ajudava a reduzir a glicose no sangue.

Isto porque, ao tomá-la em combinação com os medicamentos para diabetes chamados sulfoniluréias, a aspirina aumenta o seu efeito. As sulfoniluréias que são usadas com maior frequência atualmente incluem: glibenclamida (Micronase, Diabeta, Glynase), glipizida (Glucotrol, Glucotrol XL) e glimepirida (Amaryl). Estudos têm demonstrado que a aspirina atua como um libertador que permite que estes medicamentos sejam ativados.

Mas a verdade é que a aspirina sozinha não tem nenhum efeito direto sobre os níveis de glicose no sangue. Em conclusão, tomar aspirina diariamente como parte do seu tratamento para controlar a diabetes, deve ser uma decisão tomada pelo seu médico depois de analisar sua situação específica. Não é conveniente começar a tomar por conta própria, sem consultar primeiro o seu médico. Lembre-se que, embora seja vendida sem receita médica, tem efeitos colaterais e, embora tenha benefícios, também tem riscos. Além disso, será o médico quem irá te dizer se é conveniente tomá-la e em que dose deve ser tomada.